• De Template" style="width: 750px; height: 250px;" />

    Música

    Música

    Música Acústica, Digital, Músicos, Internet, Composições, Gente Interessante

  • De Template" style="width: 750px; height: 250px;" />

    Cognição

    Análise Crítica

    Desenvolvimento Cognitivo, Ensaios, Resenhas, Releituras, Crônica, Prosa e Poesia

  • De Template" style="width: 750px; height: 250px;" />

    Educação

    Educação

    Projetos Pedagógicos, Ciclismo, Política e Cidadania, CAS - IB

  • De Template" style="width: 750px; height: 250px;" />

    Psicologia

    Psicologia

    Ken Wilber, Autoconhecimento, Pathwork, Wilhelm Reich, Spiral Dynamics

  • De Template" style="width: 750px; height: 250px;" />

    Meditação

    Meditação

    Meditação, Espiritualidade, Integral Practice, Budismo, Shambhala

sexta-feira, 26 de outubro de 2007

Vinte cadernos


"A lucidez tem uma textura própria; É como redefinir o mundo. Amanhecer numa manhã clara e fresca. lúcida, onde as coisas estão permanecendo ainda em seus devidos lugares. Deixo espaço para o imediato e aos sentidos e vejo o que não quero ver..." Assim abro o meu primeiro diário, um caderno universitário, em maio de 1987. Estava em Ouro Preto, Minas Gerais. Sozinho, vinte anos, perdido. Vinte anos depois, vinte cadernos depois, estou "encontrado", casado , feliz.
Fui uma pessoa complicada e infeliz na infância e adolescência. Por muito tempo procurei respostas que explicassem a confusão interna de sentimentos e anseios que sentia. Na minha falta de rumo, comecei a relatar minha experiência subjetiva em cadernos.
Assim foi por anos. Quando conheci o Pathwork e o trabalho da Eva Pierrakos, aprendi uma técnica mais direcionada a investigar o inconsciente, chamada de revisão diária. Observamos nosso comportamento, prestamos atenção em especial às nossas reações emocionais, e tentamos identificar na corrente contínua de pensamentos-emoções as crenças distorcidas da infância, que continuam nos causando problemas. Por exemplo, ao encontrar dificuldades na leitura de um texto, posso pensar: "Isso é difícil demais, eu jamais entenderei isso". Ao investigar mais a fundo o sentimento de tristeza e o peso no abdómen que começo a sentir na esteira desse pensamento, descubro uma crença antiga de que no fundo sou um incompetente. Ainda por trás dessa crença, descubro outra mais antiga, em que acredito não ser digno de ser amado, não ser suficientemente bom para merecer amor. Em seguida, ao lembrar de uma cena com meus pais, uma tristeza mais profunda se revela. Se continuar cavando, mais níveis emergem, qual camadas de uma cebola. Essa auto-busca levou-me também a uma pesquisa académica de longo prazo, principalmente sobre psicologia e espiritualidade. Após certo período, e após juntar bastante informação, outra necessidade se sobrepôs: Integrar o conhecimento acumulado. Tudo isso gerou textos, resenhas, reflexões. Primeiro nos cadernos - diários (tenho cerca de 20 cadernos universitários preenchidos) e depois no computador. Sinto agora vontade de compartilhar parte do material. Postarei então em dois novos blogs: "Weekly Revision" e "Resenhas, ensaios, releituras".


"Weekly Revision" - Relato livre do meu cotidiano. Inclui a revisão diária, que descrevi resumidamente acima, mas com peridiodicidade semanal. Em inglês. Alguns objetivos deste diário semanal são descobrir "porque deu errado o que deu errado", reconquistar meu equilíbrio emocional, Manter foco nos meus objetivos, avaliar, replanejar, questionar, investigar padrões psíquicos distorcidos , e finalmente ensinar a técnica a você. (A partir de 2008 esse diário voltou a ser privado. Publicar minha intimidade se revelou perigoso para mim, infelizmente).


"Resenhas, ensaios, releituras" - Espaço dedicado a reflexões sobre psicologia e espiritualidade. Inauguro-o com a releitura crítica das palestras de Eva Pierrakos . Estas páginas em forma de compilação são a primeira parte da minha revisão de cerca de 180 palestras proferidas por Eva Pierrakos entre 1958 e 1979. São 2.000 páginas de reflexões sobre a vida, espiritualidade, filosofia e muitos outros temas. A leitura e organização do material apresentado ocorreu entre setembro de 2003 e junho de 2004, e fez parte da revisão crítica que fiz dessas palestras, principalmente à luz da abordagem integradora de Ken Wilber. Estou envolvido com o trabalho da Eva Pierrakos desde 95, e a partir de 2001, ao terminar minha formação nessa abordagem, quis integrar os seus conteúdos a uma visão mais inclusiva. Contrariando a tendência a dogmatizar fontes de conhecimento sobre espiritualidade, escolhi relativizar e relacionar. O conceito de personalidade em três níveis, por exemplo, é similar ao conceito de Reich, de camadas da personalidade. Eva foi casada com John Pierrakos, discípulo de Reich. Levanta-se a questão: O que vem de Eva e o que vem de Reich? E assim por diante. Para a maioria das pessoas essas são questões irrelevantes. As palestras de Eva Pierrakos contém tesouros de conhecimento que têm ajudado a muitas pessoas no Brasil e em todo mundo a serem mais felizes, investigarem sua sombra e a religarem-se a uma espiritualidade mais "moderna". Se você não conhece o trabalho da Eva, convém ler algum livro ou palestra antes de se aventurar por aqui. Para conhecer a "abordagem do Pathwork", recomendo dois livros: "O eu sem defesas" (Cultrix / Pensamento), um bom resumo, e "Não temas o mal" (Cultrix/Pensamento). Para ler algumas palestras e conhecer um pouco, acesse o link à direita "Grupos de estudo"/textos. Para acesso a todas as palestras de Eva Pierrakos, em suas versões em espanhol e em inglês, acesse link no final da página - ”258 lectures”. Se for encarar minha compilação, observe que cada item remete a um tema, citado na página e palestra indicada. Por exemplo: 132, pág.5 (palestra número 132, página 5).

Abraços.

2 comentários:

Suricat disse...

Olá meu Caro!!!
Maravilhoso seu Blog!!!
Tenh um também mas acho que ainda não esta bom...Foi o Yko quem me indicou.
Mas, vou lhe contar uma historinha.
Lembro-me da palavra "mágica". A palavra que você inventou e que eu achava a palavra mais difícil de ser dita. Lembra???
Pois é, um dia, já adulto eu a falei tão naturalmente que parecia que eu a tinha inventado.
Tentei ensinar ao meu filho Luan (6 anos) mas ele não quis, pela carinha a achou muito dificil também...Talvez quando ele faça 8 eu a diga mais uma vez e quem sabe a "mágica" o captura. Lembrou da palavra???
TRATIVELINDEPRAGLUTIFITOTINQUELUX
Um grande abraço a todos os seus!
Se quiser dar uma olhadela, meu blog é o :
www.fabsamba.ohlog.com

TRELELÊ disse...

Ahhh, esta palavinha está no meu imaginário, beeeeeeem longe.
Eu devia ter uns 10 anos, morava em Porto Alegre e havia a peça com este nome. Uma promoção do rádio daria um ingresso para a criança que conseguisse decorá-la. Eu decorei, mas não tínhamos telefone, então... volta e meia me lembro,dá saudades, fazem bem uns 40 anos... beijos
Andrea